Fiscais da Adapar participam de treinamento para fiscalizar pulverizadores e evitar a deriva
24/08/2021 - 12:03

O Sistema da Agricultura do Paraná (Seagri) está capacitando os profissionais para o combate à deriva de agrotóxicos, com vistas a minimizar os efeitos nocivos em culturas mais sensíveis. Na sexta-feira (20), 25 fiscais da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) participaram de um treinamento sobre inspeção de pulverizadores, em Marialva. A atividade foi promovida pelo Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná-Iapar-Emater (IDR-Paraná).   

A deriva é o desvio das gotas durante a aplicação de produtos químicos, fazendo com que, pela força do vento, se espalhem em direções indesejáveis. Os reflexos mais sérios são observados nas cadeias da sericicultura, fruticultura, particularmente nos parreirais de uva, cultivos orgânicos e apicultura, em razão da coexistência no mesmo ambiente geográfico com culturas como cana-de-açúcar, soja e milho. O problema não é novo, mas vem crescendo em todo o Estado. Uma causa frequente da deriva é a falta de regulagem dos equipamentos ou uso de pulverizadores ineficientes, daí a importância da atuação dos técnicos na orientação aos produtores.

O diretor de Extensão Rural do IDR-Paraná, Nelson Harger, ressaltou que o treinamento faz parte de uma estratégia conjunta adotada pelo Paraná para enfrentar o problema. O plano estadual de combate à deriva foi segmentado por atividades: sericicultura, fruticultura e apicultura. Segundo Harger, o que se discute é o combate à deriva, especialmente de herbicidas conhecidos como 2-4D que trazem grandes prejuízos. Harger explicou que durante o treinamento em Marialva foi definido um protocolo de trabalho a ser adotado pelos fiscais da Adapar ao inspecionar máquinas que tenham tecnologias anti-deriva, principalmente para o uso de herbicidas sistêmicos.

Segundo o diretor do IDR-Paraná, os pulverizadores precisam ter tecnologia para que produzam gotas menos sujeitas à deriva. "O Paraná decidiu essa ação por atividade e todos os setores da agropecuária (agricultores, assistência técnica e cooperativas) estão focados na inspeção dos pulverizadores", ressaltou.  Harger informou ainda que o sistema Faep-Senar/PR dispõe de 80 cursos a respeito do assunto voltados aos produtores. Além disso, o IDR-Paraná e a Adapar também estão realizando a capacitação dos seus profissionais para que atuem junto aos produtores.

"No Paraná vamos adotar uma linha técnica e não de punição. Queremos dar condições aos agricultores para que eles façam o ajuste de suas máquinas. A fiscalização punitiva vai ser dirigida a quem não adotar tecnologias eficientes para o combate da deriva desses produtos" observou Harger. Ele lembrou ainda que o produtor, por desconhecimento, usa máquinas que não têm condições adequadas de operar no campo, convivendo com o risco de causar a deriva nas propriedades próximas.