Notícias

12/04/2019

Adapar realiza palestras em todo o Estado sobre campanha de vacinação de maio.

A Agência de Defesa Agropecuária do Paraná – Adapar, com apoio dos Conselhos de Sanidade Agropecuária – CSA e outras entidades, está realizando palestras em diversos municípios do Estado. O objetivo é de informar e dirimir dúvidas sobre a campanha de vacinação contra febre aftosa, que ocorrerá no mês de maio. As palestras são direcionadas principalmente a produtores rurais e profissionais ligados ao setor agropecuário.

Em Palmas a reunião aconteceu nesta quarta-feira (10), no Sindicato Rural da cidade. A Fiscal de Defesa Agropecuária da Adapar, Bruna Amates, relata que o principal questionamento do setor produtivo é se esta será a última campanha de vacinação no Paraná. “Hoje, segundo o Ministério da Agricultura, o Paraná está pronto para a suspensão da vacina, dependendo apenas da contratação de novos fiscais e finalizar a construção de alguns postos de fiscalização”, aponta Bruna.

Além de Palmas, já aconteceram reuniões em Campo Mourão, Rio Bonito do Iguaçu, Ribeirão do Pinhal, Campina da Lagoa, Astorga, Planalto, Foz do Jordão, Candói, Londrina, Astorga, Marechal Cândido Rondon, Tapejara, Cruz Machado entre outros.

CAMPANHA DE MAIO: A campanha de maio de 2019 abrangerá todos os bovinos e búfalos de 0 a 24 meses de idade. A dose agora é de 2 (mililitros) ml. O produtor deve, entre o dia 1º e 31, providenciar a aquisição da vacina, a aplicação nos animais e a comprovação da aplicação junto à Adapar.

FÓRUNS: Nas reuniões também são abordados os procedimentos que o Paraná está adotando para obter o reconhecimento de área livre de febre aftosa sem vacinação. Para comunicar o que muda após a suspensão da vacina, o governo do Estado junto ao setor agropecuário, realizará fóruns em 6 macroregiões do Estado (programação anexa).

SEM VACINAÇÂO: O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) realizou em 2018, 2 auditorias necessárias para o encaminhamento do pedido do Paraná a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). Os técnicos do Mapa avaliaram programas, estrutura, capacidade técnica, financeira e administrativa do serviço de veterinário oficial do Estado. De acordo com o Mapa, o Paraná tem condições de requerer o status sanitário de Livre SEM Vacinação.

O gerente de Saúde Animal, Rafael Gonçalves Dias, ressalta a importância do envolvimento da sociedade como um todo, para o fortalecimento da defesa agropecuária. “Todos temos responsabilidade na proteção do nosso patrimônio agropecuário, e o envolvimento dos Conselhos de Sanidade Agropecuária dos municípios é fundamental nesse sentido”, afirma Dias.


Fonte: Adapar

Recomendar esta notícia via e-mail:
Topo